O DEDA QUESTÃO

O Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, órgão mantido pelo Ministério Público do Trabalho e pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) calcula, com base nos dados disponíveis de 2017, que um trabalhador morreu a cada 20 horas no Estado de São Paulo.

No período de 2012 a 2017, apenas na cidade de São Paulo, foram 297 mil casos de acidentes de trabalho. Em seguida, no ranking estão Campinas (30.740), São Bernardo do Campo (30.470), São José do Rio Preto (25.814), São José dos Campos (22.802) e Sorocaba onde foram registrados 17.096 acidentes de trabalho e 58 mortes. No estado todo, nestes 5 anos, foram 1.129 milhão de acidentes – um a cada 2 minutos e 47 segundos.

O Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho projeta para o primeiro semestre deste ano, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região, mais de 100 mil acidentes e um gasto aproximado, em benefícios previdenciários, de R$ 2,4 bilhões em todo o estado.

Segurança do Trabalho

Os acidentes mais frequentes, segundo o Ministério Público do Trabalho, entre 2012 e 2017 foram: cortes, lacerações e puncturas (relacionado a perfuração), além de contusões, esmagamento e fratura.

Preocupada com essa realidade, no sábado passado, a empresa Sete Quality Standard promoveu nas dependências da Faculdade de Engenharia de Sorocaba a 1ª Feira de Segurança e Proteção do Interior do Estado de São Paulo, promovendo palestras e estandes de profissionais, empresas e órgãos ligados à segurança do trabalho.

O objetivo foi agregar aqueles que atuam no setor e chamar a atenção para o problema, explica a diretora comercial da Sete, Marcele Pereira. Ela lembrou que somente entre janeiro e abril de 20118 em Sorocaba foram cinco acidentes de trabalho com mortes na cidade.

A assistente social, Solange Regina Pereira do Nascimento, do órgão municipal Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Sorocaba), acredita que o fundamental é prevenir e para isso há uma equipe multiprofissional atua no atendimento e conscientização dos trabalhadores.

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.