Sorocaba enfrenta período de chuvas abaixo da média, informa Defesa Civil

Foto: Agência Sorocaba

A Defesa Civil de Sorocaba, órgão ligado à Secretaria de Segurança (Sesdec), da Prefeitura, informa que o município de Sorocaba completou, na última quinta-feira (05), 22 dias de estiagem. O período seco da cidade é reflexo de um semestre com chuvas abaixo da média. Em junho, foram registrados 36 mm de chuva, volume bem abaixo do esperado, 168 mm a menos que o mesmo mês do ano anterior, onde foram registrados 204 mm de chuva. O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) reforça o pedido para que a população evite o desperdício.

De acordo com dados da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil do Estado de São Paulo, repassadas à Defesa Civil de Sorocaba, a previsão de chuva para o mês de julho também será abaixo da média (22,0 mm), quando deveria ser de 55,7mm. Para os dois meses seguintes, a previsão é de 62,3 para setembro, e 83,8 para outubro. A partir deste, aliás, a previsão de chuvas aumenta, e segue assim para o último trimestre do ano: 163,3mm para outubro 199,9mm para novembro e 237,3mm para dezembro.

Este período seco para o mês atual se dá aos bloqueios atmosféricos, que impedem que sistemas meteorológicos avancem para o Estado. Já o aumento para os meses seguintes ocorre devido ao desaparecimento deste bloqueio, e, consequentemente, a volta das chuvas. Vale ressaltar que apesar da volta das chuvas para os meses de agosto e setembro, o volume continua não sendo muito grande, por conta da média climatológica continuar muito baixa. Porém, a partir de outubro, as chuvas devem aumentar consideravelmente.

Recomendações à saúde

De acordo com Lúcio Roberto de Oliveira das Neves, médico e coordenador técnico da Secretaria da Saúde (Ses), a questão do tempo seco acaba irritando vias respiratórias e até aumentando a sensibilidade dos olhos.

Ele ainda alerta que nessa época do ano, deve-se prestar atenção em doenças cardiovasculares, pois a pressão tende a aumentar, podendo causar infartos, por exemplo.

A hidratação em períodos como este é uma das principais recomendações para os munícipes. Tomar bastante água pode ajudar no alívio de irritações na garganta, por exemplo.

O uso de vaporizadores para manter o ambiente úmido também auxilia, principalmente, nas noites de sono. Porém, a atenção para que o ambiente não fique úmido demais é de extrema importância, para evitar o crescimento de fungos. Na falta de vaporizadores, bacias de água e toalhas úmidas no quarto também são opções, porém, também é necessária a atenção para não atrair mosquitos.

Evite desperdício

O Saae-Sorocaba pede mais economia de água à população. “Temos água para abastecer toda a cidade, mas se não chover nos próximos meses, a situação pode se agravar na região do Éden”, explica o diretor-geral do Saae-Sorocaba, Ronald Pereira da Silva. Neste momento está descartado o risco do desabastecimento ou racionamento, mas essa situação pode mudar, caso continue calor durante os dias de inverno e não haja chuva o suficiente.

No dia de hoje, a represa da Castelinho, que armazena a água enviada para a represa do Ferraz, está com 70% da capacidade de armazenamento. A represa do Ferraz, cuja função é mais a de abastecer a captação da ETA do Éden em vez de armazenamento, está com 40% de sua capacidade.

Na represa do Clemente, a maior fonte de água para tratamento em Sorocaba, a situação é cômoda. A represa do Clemente tem o nível sempre estável, independente da estiagem, já que existe o compromisso da Votorantim Energia em destinar água da represa de Itupararanga em quantidade suficiente para manter a uniformidade do nível da represa do Clemente.

A represa do Clemente abastece a ETA do Cerrado, assim como a Ipaneminha, cujo nível encontra-se em cerca de 90% da capacidade. O reservamento da Ipaneminha apenas é usado em momentos de alto consumo da água produzida pela ETA Cerrado.

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.