Secretária de Saúde nega mal-estar com vice-prefeita e vereador Hudson Pessini

Djalma Benette, o Deda, e Marina Elaine Pereira, secretária de Saúde de Sorocaba / Foto: Alana Damasceno

A secretária de Saúde de Sorocaba, Marina Elaine Pereira, negou mal-estar com a vice-prefeita Jaqueline Coutinho (PTB) e o vereador Hudson Pessini (MDB) a respeito da situação de atendimento do bebê Miguel Henrique Souza Correa, atualmente internado no Incor de São Paulo. A criança, que tem pouco mais de um mês de vida, sofre com cardiopatia congênita complexa, além de malformações múltiplas em membros.

A entrevista ocorreu durante a edição desta quarta-feira (2), no Jornal da Ipanema, da Rádio Ipanema, e foi mediada pelo jornalista responsável pelo espaço “O Deda Questão”, Djalma Benette.

Jaqueline e Hudson viajaram à capital paulista na semana passada e foram ao hospital para verificar se conferia a informação de que o Incor pretendia enviar Miguel de volta à Santa Casa de Sorocaba, onde ele permanecia internado aguardando vaga para uma unidade especializada para seu tratamento. A visita foi postada nas redes sociais.

“Não houve nenhum mal-estar entre a vice, eu e o vereador. Fiz um desabafo na rede social por parecer que ninguém reconhece que fazemos algo de bom pelo município. Ninguém está de braços cruzados. Toda ajuda é bem-vinda. Só não admito que ninguém fale que não estamos fazendo nada. Ninguém senta ali todo dia para saber o que de fato é o problema”, desabafou Marina.

Marina, antes Ouvidora do Município, está à frente da Saúde há cerca de 40 dias, após exoneração de Ademir Watanabe que, por sua vez, deve voltar a atender na rede pública como médico. “O prefeito me vê e brinca: ‘ah, você está sorrindo, então está tudo bem ainda. Eu respondo: ‘sorrio de desespero'”, ri e confessa também não dormir desde que assumiu a secretaria.

Ela defendeu que a pasta fez tudo o que pode para dar assistência ao caso de Miguel, entretanto, voltou a responsabilizar o Estado. “Não houve descumprimento. Eu, ‘Município’, não tenho como forçar o Estado a abrir essa vaga para ele”, disse.

“Não tenho dúvida que o Miguel está muito bem assistido no incor de São Paulo”, frisou. A secretária relatou ainda que há outros casos similares, no qual crianças aguardam por vaga assim como o bebê. “Existem outras, todas com a mesma celeridade”, afirmou.

De acordo com o Incor, o bebê Miguel encontra-se internado na Unidade de Terapia Intensiva Cardíaca Neonatal. Portador da Síndrome de Edwards, condição genética que leva a alterações neurológicas, motoras e cardíacas entre outras, o paciente apresenta quadro de insuficiência hepática, alteração renal e desnutrição. Sua condição cardíaca, no entanto, encontra-se compensada, apesar da complexidiade de sua cardiopatia. Em função desse quadro, não há inidicação cirúrgica de correção, neste momento, segundo avaliação médica realizada a partir de uma série de exames clínicos e de diagnóstico. Miguel permanecerá internado para compensação de quadro geral, ainda por tempo indeterminado.

Terceirização da Saúde

Nesta quinta-feira (3), explicou ela, haverá uma reunião para discutir datas focando a implantação da chamada ‘reestruturação da Saúde. A terceirização visa as UPH’s (Unidade Pré-Hospitalar), Policlínica Municipal e SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). A ideia é contratar Organização Social para fazer uma gestão compartilhada.

Questionada se acredita na melhora de atendimento com a reestrutura, Marina respondeu “sim”. “Acredito sim, com fortalecimento da UBS (Unidade Básica de Saúde), que é a proposta do plano e com o médico mais perto da residência do cidadão”, opinou.

Denúncia sobre exames

Ainda durante a entrevista, Marina aproveitou para falar a respeito de uma denúncia da auditoria da Prefeitura de Sorocaba, sobre o documento preparado pela auditora geral da Saúde, Andreia Cristina Cesare P. Nunes, que a empresa CIES Global Sorocaba, que presta serviço ao município tem diversas irregularidades, inclusive, cobrando oito vezes pelo mesmo exame.

“Dentre essa apuração feita pela prefeitura foram constatadas algumas possíveis irregularidades. Foi pedida uma reunião extraordinária, pelo Conselho de Saúde, e a CIES estará presente para esclarecer”, informou. A reunião ocorrerá ainda nesta semana.