Foto: Divulgação Secom

Pouca gente sabe, mas Sorocaba tem o maior polo de serviços aeronáuticos da América Latina e o segundo maior do mundo. O aeroporto da cidade mantém centros de manutenção de companhias da aviação mundial, como Embraer, Pratt&Witney, Bombardier e Dassault-Breguet, e hospeda em seus hangares centenas de aviões particulares.

Toda essa estrutura é controlada e fiscalizada pelo Governo do Estado de São Paulo. No entanto, existe a possibilidade de, em breve, o controle do aeroporto passar ao município de Sorocaba.

Para dar os primeiros passos de uma articulação nesse sentido, o prefeito José Crespo (DEM) e os secretários Luiz Alberto Fioravante (Planejamento e Projetos), Werinton Kermes (Cultura e Turismo) e Jessé Loures (Meio Ambiente, Parques e Jardins) reuniram-se nesta semana com o tenente-coronel Marcos Antonio Ramos, presidente do Aeroclube de Sorocaba, escola de aviação civil mantida dentro do aeroporto, e com o presidente da Associação dos Operadores do Aeroporto de Sorocaba, Ari Bordieri Júnior.

“Entre outras vantagens, municipalizar o aeroporto vai garantir que as empresas do setor de aviação aqui presentes mantenham as suas operações na cidade, incentivadas, sobretudo, por taxas de condomínio aeroportuário mais convidativas. Se não tivermos custos competitivos, essas companhias simplesmente buscarão aeroportos menores, em outras localidades, e todos sairemos perdendo”, diz o secretário de Planejamento e Projetos de Sorocaba, Luiz Alberto Fioravante.

Fioravante explica que a municipalização dará à Prefeitura a possibilidade de regular os custos de hangaragem e utilização do solo, além de propiciar melhores taxas aeroportuárias e de combustível. “Isso nos permitirá manter os mais de 5 mil pousos e decolagens mensais, de modo a preservar e ampliar os 1.500 empregos diretos e os 3.500 indiretos do aeroporto”, completa o secretário.

Na reunião com os executivos do aeroporto, o prefeito e os secretários se dispuseram a levar um projeto para o governador do Estado de São Paulo, Márcio França, para tentar a municipalização. Além disso, a ideia é firmar uma série de parcerias público-privadas com empresas do setor para promover o desenvolvimento do aeroporto.

“Cada vez mais, em todos os segmentos, o caminho são as parcerias público-privadas. É preciso estudá-las com critério e ampliar cada vez mais as possibilidades de crescimento para a cidade e as pessoas que vivem e trabalham aqui”, conclui o prefeito Crespo.