A partir do dia 1 de agosto de 2018, mais uma UBS volta a funcionar das 7h às 19h. Trata-se da unidade Márcia Mendes que é a terceira na cidade com maior população SUS dependente, cerca de 20 mil pessoas usuárias. Retomar o atendimento em horário integral em todas as unidades da rede de Atenção Básica é um compromisso de governo do prefeito José Crespo e vem sendo cumprido desde o início do ano passado. Entre as 32 unidades existentes, 17 estarão funcionando com horário ampliado no próximo mês.

Com o horário ampliado, a Secretaria da Saúde de Sorocaba (SES) oferece acesso aos atendimentos principalmente aos usuários que não podem comparecer às unidades até 17h por estarem trabalhando. A medida atende a solicitações dos munícipes de todas as regiões da cidade e continuará sendo feita de acordo com a organização de equipes nas UBSs. Todas as Unidades da cidade abrem às 7h.

O retorno ao horário integral nas UBSs começou no dia 1º de fevereiro de 2017, com as unidades da Vila Haro, Júlio de Mesquita Filho e Vila Fiore. No início de março, a mudança foi adotada na UBS Aparecidinha, UBS Parque São Bento e UBS Nova Sorocaba e no dia 31 de março a UBS Jardim Carandá foi inaugurada já no horário integral. No dia 03 de abril, o atendimento foi estendido nas UBSs Jardim Rodrigo, Vila Hortência e Vitória Régia. No dia 2 de maio, foi a vez das UBSs Mineirão, Éden e Simus. Além dessas, outras três unidades também funcionam das 7h às 19h como UBSs são elas: Brigadeiro Tobias, Jardim São Guilherme e Parque das Laranjeiras. As demais unidades continuarão fechando às 17h até que seja possível equacionar as medidas necessárias para que também possam ampliar o horário de funcionamento.

Segundo a secretária da Saúde, Dra. Marina Elaine Pereira, também há um estudo sobre a possibilidade de ampliar o horário de funcionamento das UBSs até às 22h para atender a população. “Conforme o projeto de reestruturação da saúde acontecer e a Atenção Básica fortalecer, poderemos realizar uma ampliação maior das unidades aos moradores de Sorocaba. Ou seja, efetuar uma gestão em saúde e não mais em doenças”, explica a titular da pasta.