“Amor & Sexo” preenche lacuna importante e abre temporada com debate sobre respeito

Divulgação/TV Globo

Por Erick Rodrigues

É interessante parar e observar a evolução do programa “Amor & Sexo”, que estreou, nesta terça-feira (9), uma nova temporada. Comandada por Fernanda Lima, a atração começou como um despretensioso game show com a intenção de falar sobre sexualidade. Aos poucos, o formato foi deixando os temas menos rasos, recorrendo a profissionais e representantes de grupos ou classes para expandir o “campo de visão” e, já há algum tempo, assumiu a função de discutir tabus e preconceitos com leveza, mas sem pudores.

Na estreia da nova temporada, o programa mostrou que deve ampliar ainda mais as discussões e preencher uma lacuna importante na televisão aberta brasileira: dar voz ao respeito às diferenças; fazer com que os mais variados tipos de pessoas, especialmente aqueles que não são retratados na TV, sejam ouvidos; e continuar discutindo sexualidade de forma clara e aberta.

O primeiro programa do novo ano da atração trouxe um protesto musicado por mais respeito a gêneros, credos e cores. Também houve um apelo à liberdade de escolhas e comportamentos, com os convidados defendendo o direito de viverem plenamente suas condições como mulheres, gays, negros e, especialmente, seres humanos.

Em uma brincadeira, que envolvia a passagem de convidados por um tubo no meio do palco, “Amor & Sexo” mostrou, para aqueles que questionam denúncias e usam o argumento do “mi mi mi”, a simples diferença entre consentimento e assédio sexual, que vitima muitas mulheres em transportes coletivos de todo o Brasil, por exemplo. Com leveza e simplicidade, o programa deixou claro, para quem ainda tem dúvidas, o que é desrespeitar o espaço e a liberdade para abusar do contato com alguém.

Mais político do que nas temporadas anteriores, “Amor & Sexo” assume um importante papel em tempos de muita intolerância com as diferenças. O programa acerta em cheio ao fazer do respeito o pontapé inicial para, depois, partir para os demais temas interligados. Isso faz com que o programa siga preenchendo uma lacuna importante e necessária na televisão.

Para que isso aconteça, a linguagem adotada na atração é fundamental. Através das músicas, quadros e brincadeiras, o programa usa a leveza e o bom humor para se colocar como um canal de debates de temas pouco discutidos na TV, sem impor nisso qualquer autoridade ou didatismo. “Amor & Sexo” não tem tempo para se aprofundar em alguns debates, mas parece nem ter essa pretensão e só quer servir para abrir esse diálogo.

É óbvio que a abordagem desses temas ainda geram reações e críticas do público, especialmente em um momento tão conservador como o atual, com preconceitos sendo estimulados e gerando violência e cada vez mais desrespeito. Os primeiros gritos contra o programa já surgiram nas redes sociais, mas, contra a atração, o espectador tem uma escolha mais eficiente: o controle remoto para mudar de canal.

“Amor & Sexo” cumpre um papel importante e se coloca na linha de frente ao se dispor a falar sobre respeito, representatividade e, claro, sexualidade. O tom leve do programa é o diferencial para facilitar a entrada dessas discussões em mais lares brasileiros e, de fato, é fundamental que isso aconteça.

AMOR & SEXO (décima primeira temporada)

ONDE: TV Globo (todas as terças-feiras)

COTAÇÃO DA ESTREIA: ótimo