David Letterman mostra que boa conversa ainda tem espaço no mundo sob demanda

Malala é a convidada do terceiro programa de David Letterman - Divulgação

Por Erick Rodrigues

Em meio a opções variadas de entretenimento, que vão além da programação dos canais e, hoje, se estendem para os serviços de streaming e conteúdos sob demanda, fica difícil escolher entre um documentário, um reality show, uma série, um filme e, até mesmo, ao capítulo de uma novela.

Entre tantas opções de programas, um gênero que pode render boas reflexões, informa e desperta curiosidade ganhou um reforço para estimular o interesse das pessoas pelas entrevistas: o retorno de David Letterman.

Durante décadas, Letterman recebeu os mais variados convidados no “The Late Show”, programa que, mesmo focado no entretenimento, costumava ser palco de algumas discussões relevantes.

Após mais de trinta anos no ar, observando as mudanças do mundo e a proliferação acelerada de programas semelhantes, que vinham apostando mais no show do que no talk, Letterman deixou o formato que o consagrou e passou pouco mais de dois anos em uma “aposentadoria”. Agora, ele está de volta com “My Next Guest Needs No Introduction”, série especial de entrevistas produzidas para o serviço de streaming Netflix.

Em programas lançados mensalmente na plataforma, Letterman prende a atenção do espectador apenas com boas conversas. Com a convidada mais recente, a ativista Malala Yousafzai, o apresentador discute assuntos pertinentes ao mundo: educação, extremismo, violência e esperança pelo futuro.

A vencedora do Prêmio Nobel da Paz falou sobre como foi proibida de estudar no Paquistão; como a força da mulher deve se impor no mundo machista que quer freá-la; e até estimulou o apresentador a dizer o que pensa sobre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. “Pessoalmente, eu senti que ele não me representa”, opina Letterman.

Os outros dois primeiros programas, também disponível no catálogo do Netflix, renderam boas conversas. No primeiro, o apresentador recebeu outro “aposentado”: Barack Obama, ex-presidente norte-americano.

Em um momento de tensão para o Tio Sam, com Trump ocupando o Salão Oval da Casa Branca, a conversa com o primeiro presidente negro da potência mundial soa extremamente oportuna e rende boas reflexões, inclusive, para entendermos o que acontece no Brasil e em outras partes do mundo.

Discussões relevantes sobre polarização, consumo de informações, preconceito e intolerância são outros temas que marcam a conversa com Obama, a melhor até agora da nova leva de programas.

Com o ator George Clooney, Letterman se dedicou a falar mais sobre o ser humano por trás do rótulo de estrela de Hollywood. Em uma reportagem com a família do artista, outro bom recurso usado de forma intercalada com a conversa no estúdio, o apresentador conhece um refugiado ajudado pelos Clooney.

Além de trazer David Letterman de volta da “aposentadoria”, “My Next Guest Needs No Introduction” reforça que boas conversas e reflexões ainda têm espaço e relevância em um mundo repleto de opções e consumo sob demanda.