Por Erick Rodrigues

Diante de tantas discussões e estatísticas sobre escolhas guiadas pela diversidade de etnias, culturas e gêneros, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood fez dessa representatividade uma bandeira na cerimônia do Oscar deste ano. A consagração do favorito “A Forma da Água”, que saiu com quatro estatuetas, também reforçou a discurso.

No ápice dos debates sobre a presença feminina nas produções e das denúncias dos casos de assédio, a indústria do cinema optou por misturar o tema com as demandas sobre inclusão de negros, gays, latinos e outras categorias com menos espaço nas produções.

Prevendo discursos inflamados sobre esses temas, a Academia “desenhou” a premiação de 90 anos do Oscar para privilegiar esse tom político e engajado. Com falas pontuais e menos enfáticas do que em premiações anteriores, foram as manifestações da própria Academia que falaram mais alto.

Frances McDormand, a melhor atriz por “Três Anúncios Para um Crime” – Divulgação

Entre os premiados, a atriz Frances McDormand, de “Três Anúncios Para um Crime”, subiu ao palco e pediu que todas as mulheres indicadas se levantassem, reforçando a necessidade de mudança da visão sobre a presença feminina nas produções.

As denúncias contra os casos de assédio na indústria, especialmente as vítimas da conduta abusiva do produtor Harvey Weinstein, subiram ao palco e clamaram por mais respeito e diversidade. O apresentador Jimmy Kimmel fez piadas contra Weinstein e a visão machista que ainda persiste na indústria.

A vitória de “A Forma da Água” no principal prêmio da noite também reforçou o discurso adotado. A fábula de amor entre uma faxineira muda e uma criatura aquática também serve ao tema. Colocando no centro da cena personagens ainda pouco retratados, a escolha pelo filme soou coerente com o discurso.

Guillermo Del Toro, o terceiro mexicano premiado como melhor diretor em cinco anos, fez referência à presença de imigrantes na indústria do cinema. Em um momento em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dispara opiniões inflamadas sobre a presença dessas pessoas no país, o discurso também ganhou importância.

Se a representatividade não veio na categoria de direção, a Academia passou a imagem de que está atenta à questão premiando “Corra!” como melhor roteiro original. Com isso, Jordan Peele se tornou o primeiro negro a vencer a categoria em 90 anos.

No Oscar de melhor filme estrangeiro, outra mensagem sobre diversidade: “Uma Mulher Fantástica”, do Chile, se tornou a primeira produção estrelada por um transexual a levar um prêmio.

Com todos os discursos sobre representatividade feitos, é esperado que a indústria do cinema aplique as demandas apresentadas, já que, mais do que falar sobre isso, é preciso agir para alterar esse cenário. Afinal, como foi dito na própria cerimônia do Oscar, todos querem se ver no cinema.

Outros prêmios

Além de melhor filme e direção, “A Forma da Água” ainda levou mais duas estatuetas: melhor design de produção e trilha sonora original.

“Dunkirk”, do diretor Christopher Nolan, saiu com três prêmios técnicos: melhor edição, mixagem de som e edição de som. “Blade Runner 2049”, um dos esnobados nas categorias principais, venceu em efeitos visuais e fotografia.

Gary Oldman, o melhor ator por “O Destino de uma Nação” – Divulgação

Gary Oldman confirmou o favoritismo e venceu como melhor ator pela interpretação de Winston Churchill em “O Destino de uma Nação”, filme que também levou o Oscar de melhor cabelo e maquiagem.

O também favorito “Me Chame Pelo Seu Nome” levou como melhor roteiro adaptado, transformando James Ivory, de 89 ano, no ganhador mais velho da história do Oscar.

Vencedores

Melhor Filme: “A Forma da Água”

Melhor Atriz: Frances McDormand, de “Três Anúncios Para um Crime”

Melhor Ator: Gary Oldman, de “O Destino de uma Nação”

Melhor Diretor: Guillermo Del Toro, de “A Forma da Água”

Melhor Atriz Coadjuvante: Allison Janney, de “Eu, Tonya”

Melhor Ator Coadjuvante: Sam Rockwell, de “Três Anúncios Para um Crime”

Melhor Roteiro Original: Jordan Peele, de “Corra!”

Melhor Roteiro Adaptado: James Ivory, de “Me Chame Pelo Seu Nome”

Melhor Filme Estrangeiro: “Uma Mulher Fantástica”

Melhor Design de Produção: “A Forma da Água”

Melhor Fotografia: “Blade Runner 2049”

Melhor Figurino: “Trama Fantasma”

Melhor Canção: Remember Me, de “Viva – A Vida é uma Festa”

Melhor Edição: “Dunkirk”

Melhor Mixagem de Som: “Dunkirk”

Melhor Edição de Som: “Dunkirk”

Melhor Animação: “Viva – A Vida é uma Festa”

Melhor Curta de Animação: “Dear Basketball”

Melhor Curta: “The Silent Child”

Melhor Trilha Sonora: “A Forma da Água”

Melhor Documentário: “Ícaro”

Melhor Documentário em Curta-Metragem: “Heaven is a Traffic Jam on the 405”

Melhor Cabelo e Maquiagem: “O Destino de uma Nação”

Melhor Efeito Visual: “Blade Runner 2049”