Estelita Hass Carazzai, FOLHAPRESS

Candidato a vice de Jair Bolsonaro (PSL), o general Hamilton Mourão (PRTB) defendeu nesta quinta-feira (13) que o país faça uma nova Constituição, mais enxuta e focada em “princípios e valores imutáveis”, mas não necessariamente por meio de uma Assembleia Constituinte.

Para ele, o processo ideal envolveria uma comissão de notáveis, que depois submeteria o texto a um plebiscito, para aprovação popular. “Essa é a minha visão, a minha opinião”, disse, destacando que essa não é a proposta da candidatura, nem de Bolsonaro. “Uma Constituição não precisa ser feita por eleitos pelo povo.”

Mourão, que deu uma palestra a empresários em Curitiba, defendeu que a proposta não é antidemocrática, e disse que a atual Constituição deu início à crise pela qual passa o Brasil.
“Tudo virou matéria constitucional. A partir dela, surgiram inúmeras despesas. A conta está chegando, está caindo no nosso colo. Chegou o momento em que temos que tomar uma decisão a respeito”, afirmou.

Mourão, porém, reconheceu que a edição de uma nova Constituição é algo “muito difícil de se conseguir” nesse momento no Brasil. O general ainda rechaçou a possibilidade de intervenção militar no Brasil, e disse que a democracia precisa ser “afirmada como um valor fundamental do nosso país”. “Por pior que seja esse sistema, ele ainda é o melhor de todos”, declarou.

BOLSONARO

Mourão afirmou ainda que Bolsonaro é “insubstituível” e que não pretende assumir a cabeça de chapa da candidatura. “Não vou substituir. Temos plena certeza de que ele estará em condições de liderar esse processo”, declarou. “Ele é o homem das massas, o grande agitador. É ele que as pessoas vão eleger. Ninguém vai me eleger. Eu sou um apêndice.”

Mourão admitiu que a ausência de Bolsonaro nas ruas nesse momento da eleição prejudica a candidatura, mas afirmou que o político estará bem dentro de três semanas e que ele é “um líder para o país”. “Ele é destemido e conhece o que tem que ser feito”, disse.

VENEZUELANOS

O general defendeu que o Brasil acolha os venezuelanos que atravessam a fronteira, fugidos da crise política e econômica do regime do ditador Nicolás Maduro.

Ele chamou o movimento migratório de uma “diáspora, um êxodo dos nossos irmãos”. “Nós temos que acolhê-los; essa é a realidade”, disse.

O general fez críticas ao regime de Chávez, que disse ter se aproveitado de uma infiltração nas Forças Armadas para tomar o poder, e afirmou que “o Brasil jamais será uma Venezuela”. “Por uma razão muito simples: as nossas Forças Armadas não serão cooptadas”, afirmou, para os aplausos da plateia de aproximadamente 500 pessoas que o ouvia em Curitiba, no Instituto de Engenharia do Paraná.

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.