FOLHAPRESS

O clima esfriou novamente no Sul e Sudeste do Brasil, depois de algumas semanas de calor acima do normal para o inverno.

Mas enquanto os termômetros devem chegar a até 6º C nesta semana na capital paulista, algumas cidades brasileiras registram temperaturas bem mais baixas com mais frequência durante a estação, e viram atrações turísticas.

Conheça cinco cidades muito frias do país, onde é possível até ver neve -se você tiver sorte.

Cambará do Sul (RS)

Conhecida pelos cânions do Parque Nacional de Aparados da Serra, como o Itaimbezinho, a cidade fica próxima da divisa com Santa Catarina, a 1.031 metros de altitude. A temperatura mais baixa já registrada por lá foi de -7,2º C, em julho de 2000.

Canela (RS)

Um dos principais destinos turísticos gaúchos, a vizinha de Gramado tem a bela Catedral de Pedra. Outro ponto para visitar é o Parque Estadual do Caracol, mas melhor evitar o passeio em dias de frio intenso. A temperatura mínima média é de 7,3º C em julho. Geadas são frequentes, e as nevascas acontecem às vezes, quando fazem a alegria dos turistas.

São Joaquim (SC)

Ela disputa o título de cidade mais fria do país com Urubici e Urupema, ambas também em Santa Catarina. A cidade na serra catarinense, a 229 quilômetros de Florianópolis, fica a 1.360 metros de altitude e tem mínimas médias de 6º C durante o julho. A menor temperatura já registrada na cidade foi de -9º C, em julho de 2000. Nesta segunda (10) já nevou por lá, e a cidade deve registrar mínimas de até -2° C até o dia 12 (quinta).

Urubici (SC)

No páreo para ser a cidade mais gelada do Brasil, Urubici está a 915 metros de altitude, na serra catarinense. Já nevou por lá hoje (10) e a temperatura deve cair para -1ºC na quinta (12).

São José dos Ausentes (RS)

Uma das cidades mais frias do Rio Grande do Sul, São José dos Ausentes está a 294 quilômetros de Porto Alegre, perto da divisa com Santa Catarina. Por lá fica o ponto mais alto do estado, o Pico do Monte Negro, com 1.403 metros de altura. Forte no turismo rural, a cidade teve uma nevasca intensa em 2013, quando os flocos caíram por mais de sete horas.